Blog

Entendendo como se faz um treinamento eficaz usando a metodologia 6D´s

Postado dia 13/11/2020
Continue Lendo Accountability: por que empresas e colaboradores não podem deixar de ter?

Você já conhece ou ouviu falar da metodologia 6D’s? 

Os participantes saem do treinamento e dizem que foi excelente! Alguns manifestam que estão ansiosos para colocar em prática o que aprenderam! E, após algumas semanas, praticamente nada! As mudanças foram muito aquém das expectativas iniciais. Infelizmente, isso é a regra em muitas empresas que investem pesado em treinamento.

Com certeza, a metodologia 6D´s pode ser uma excelente aliada para trazer consistência e resultados estratégicos aos programas de desenvolvimento, impactando realmente para o negócio.

Os 6D’S consistem em 6 passos que buscam trazer uma jornada de aprendizagem completa, por meio de uma metodologia cientificamente comprovada e considerada eficaz. 

Tudo isso é apresentado no livro “6D’S As Seis Disciplinas Que Transformam A Educação Em Resultados”, do Calhoun Wick.

A metodologia 6D’S foi pensada com o objetivo de gerar uma mudança no comportamento dos colaboradores, já que que estimula as habilidades e conhecimentos de uma maneira prática. Além disso, também visa o alcance de resultados mensuráveis para a empresa. 

Uma das características dos 6D’S é determinar os resultados esperados e que impactos se pretende alcançar.  Ademais, é  preciso avaliar os comportamentos que devem ser desenvolvidos para obter os resultados. E, a partir disso, pensar qual é o tipo de programa (design)  que será melhor se alcançar estes resultados.

Separamos as 6 disciplinas e vamos te mostrar como elas podem impactar no seu negócio: 

 

D1 – Determinar os resultados do negócio

No “D1” é necessário entender qual é o objetivo do programa, estabelecer quais são as razões para aplicar a metodologia e como isso vai impactar na vida de quem está realizando o treinamento. 

Esse primeiro momento é importante para entender quais são as bases e definir as iniciativas de aprendizagem que irão colaborar para os resultados e produtividade dentro da organização. 

Determinado e acordado com a empresa quais os problemas de negócio que precisam ser resolvidos ou minimizados, a metodologia pode ser aplicada, tendo 100% de foco nos objetivos organizacionais, ainda que se trate do desenvolvimento de soft skills. A pergunta básica é: a falta desta habilidade está causando ou causará quais problemas para o negócio? Quando todos os stakeholders compreendem isso, o programa é visto como estratégico, e não apenas como uma ação da área de RH.

 

D2- Desenhar uma experiência completa

Hoje na educação corporativa há várias maneiras de desenvolver didáticas, baseadas em um modelo mais participativo e com o uso de tecnologias que auxiliam no processo de aprendizagem. 

Então, pensando de trás para a frente, com a mente nos problemas de negócio que queremos resolver, quais são todas as ações educacionais que garantirão este resultado? Dificilmente será apenas uma ação pontual, um treinamento apenas.

Aqui, é a hora de aplicar o plano para a experiência em 4 fases: preparação, aprendizagem, transferência e realização. 

Dito isso, o  segundo “D” apresenta todas as etapas de aprendizagem, ou seja, aqui é primordial desenvolver as competências, criar hábitos e elaborar estratégias que potencializam a produtividade dos colaboradores, proporcionando uma experiência completa para todos. 

 

D3- Direcionar a aplicação 

O “D3” diz respeito à aplicação das ações educacionais, os workshops e treinamentos planejados. 

Considere que não basta apenas transmitir o conhecimento, mas também ter convicção de que este será colocado em prática, de forma que os seus benefícios possam ser colhidos.

O ideal é que os conteúdos sejam abordados na realidade, durante a rotina de trabalho, criando ações que os colaboradores possam aplicar nas tarefas diárias. O uso da metodologia ativa, vivencial, a aplicação dos conceitos da andragogia (educação de adultos) farão toda a diferença no engajamento e retenção do aprendizado 

É possível criar práticas relevantes como aprendizagem ativa e feedbacks, fazendo com que as pessoas que participam do treinamento se sintam mais motivadas.  Com isso, é natural que os participantes fiquem mais engajados com o treinamento e com o seu crescimento na empresa. 

Juntamente com o engajamento, é importante desenvolver a heutagogia, para estimular os colaboradores a terem um movimento “autodidata” e protagonista, mostrando que eles têm responsabilidade no seu desenvolvimento profissional. 

 

D4- Definir a transferência do aprendizado

Conhece o conceito 70/20/10? Na metodologia 6D´s, está na hora de priorizar o 70, ou seja, o desenvolvimento da habilidade e do hábito a partir do fazer (colocar em prática o que se aprendeu no D anterior)

A quarta etapa é uma das mais importantes para garantir o aprendizado, uma vez que se refere à designação de um plano de ação para aplicar todo o conhecimento adquirido. Logo, requer uma atenção especial dos profissionais de RH. Precisa ser estabelecido um programa de metas, com acompanhamento consistente para a aplicabilidade e estímulo ao desenvolvimento de novos hábitos. Se isso não for obtido, provavelmente o investimento no Programa não terá valido a pena!

Nesse momento, é necessário definir ações que garantam a transferência do aprendizado para o ambiente de trabalho, assessorando os colaboradores na aplicação do que foi aprendido no treinamento. 

Vale a pena ressaltar que no “D4”, os profissionais precisam do apoio ainda mais efetivo do gestor direto, porque é um momento em que é necessário vencer velhos hábitos. Assim, é preciso pensar em como estimular, na prática, o aprendizado de cada um. 

 

D5- Dar apoio à performance

A quinta etapa é uma extensão da anterior, ou seja, elas ocorrem paralelamente. Aqui, é importante que os participantes tenham suporte necessário para colocar o aprendizado em ação.  

Esse momento é essencial porque novas dúvidas surgem à medida que o conhecimento é colocado em prática. Sabe quando você aprende a fazer uma nova receita de bolo na TV, mas quando tenta executá-la, o bolo não cresce? Você consegue falar com alguém do programa de TV para ajudá-lo a entender o que aconteceu? A metodologia 6D´s prevê estratégias para ajudar os participantes nessas situações.

Uma das estratégias consistem em fazer com que o trabalho seja realizado lado a lado. Assim, o ideal é que os gestores estejam à disposição para oferecer informações concisas e claras, demonstrando na prática como fazer as ações. Isso faz com que o apoio entre os colaboradores e supervisores seja potencializado e relevante para o aprendizado do dia a dia.

Outras possibilidades: tutoria, coaching, comunidades de aprendizagem, encontros de lessons learning, supervisão etc.

 

D6- Documentar os resultados

Por fim, a última etapa é o momento de resgatar os objetivos identificados no primeiro “D”, para mensurar se os resultados foram alcançados. 

Todavia, esse planejamento de como os resultados serão mensurados deve ser feito na segunda disciplina. Quando está se fazendo o desenho de uma experiência completa (6D´s), os resultados esperados devem ser evidenciados.

É preciso ser feito um acordo sobre os parâmetros a serem observados, assim como um cronograma, olhando quais os dados que serão colhidos e avaliados e sobretudo qual é a definição de sucesso. Estas informações precisam ser dadas aos participantes antes desses ingressarem no programa. Ou seja, os colaboradores precisam estar cientes de que deverão devolver o investimento que está sendo feito neles e a forma de fazerem isso é efetivamente atingindo os objetivos pré-definidos.

É importante que os profissionais sejam sinalizados sobre quais resultados a empresa espera obter com o processo de aprendizagem, assim, eles ficam mais comprometidos com as metas estabelecidas. 

Além disso, a última disciplina prevê um plano de apresentação dos resultados, e também um levantamento de quais públicos serão comunicados sobre o treinamento. 

 

O impacto da metodologia 6D’S

Os 6D’S não implicam somente em melhorias no desenvolvimento pessoal e coletivo, mas também na criação de novas estratégias de trabalho.  Assim, os resultados organizacionais podem ser potencializados, estimulando que a organização alcance um lugar de destaque no mercado. 

Essa metodologia é conduzida para gerar uma mudança de comportamento dos colaboradores, devido as competências que são adquiridas durante o processo. Por isso, a implementação dos 6D’S tem um impacto positivo no que diz respeito à manter os colaboradores mais engajados e aperfeiçoar o seu desempenho e desenvolvimento profissional através do estímulo no ambiente de trabalho. 

É importante ressaltar que o RH tem um papel fundamental e estratégico no acompanhamento da execução de cada uma das fases da metodologia, para que tudo ocorra da melhor forma, pensando nos objetivos que foram traçados para o negócio. 

Você já conhecia a metodologia 6D’s ou já aplica na sua empresa  nos programas de desenvolvimento? Continue acompanhando o blog da Duomo para saber mais sobre esse e outros assuntos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colha resultados

Solicite um orçamento

Solicite um orçamento